Campanhas

CONTEÚDO É REI, INTELIGÊNCIA É A BASE, MAS SÃO AS CONVERSAS QUE REALMENTE IMPORTAM.

3 min de leitura
CONTEÚDO É REI, INTELIGÊNCIA É A BASE, MAS SÃO AS CONVERSAS QUE REALMENTE IMPORTAM.
Junte-se à nossa comunidade de profissionais.

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Aqui está uma área subestimada pelos profissionais que lideram o digital nas campanhas eleitorais, seja por preguiça, incompetência, inércia ou desorganização.

Direto ao ponto. Se você fez tudo certo em sua campanha e não está conseguindo gerar conversas, seu conteúdo não passa de panfletagem online. E você sabe o que acontece com os panfletos entregues nas sinaleiras, não sabe?

Pior, já viu de perto o que ocorre com as toneladas de folhetos, santinhos e afins, entregues na miserável ação de boca de urna que se repete ano após ano, em todas as seções de votação, Brasil a fora. Aquela cena horrível é uma perfeita ilustração do ambiente da timeline de um cidadão médio conectado. O que você vê ali? Lixo.

A imagem é forte, o discurso foi duro, mas agora eu tenho a sua atenção. O seu propósito principal nessa campanha vai ser pautar conversas e participar delas. Esqueça aquele modelo de comunicação de um para todos e mantenha o foco nas pessoas.

Boa parte dos profissionais acaba se dizendo digital, e fingem dominar a lógica das Redes, mas trazem para o mundo online o raciocínio obsoleto e limitante da mídia tradicional, o que se traduz numa comunicação panfletária, errática e idiotizante.

É como falar para ninguém, diante de uma multidão, transformando os canais institucionais e perfis dos atores políticos em um mural egocêntrico, descolado da realidade dos usuários.

O que fazer, então?

Você precisa montar uma estrutura, por menor que seja, dedicada a conversar com as pessoas em seus diversos canais. Vai precisar de gente e de ferramentas para isso, e isso é algo do qual não se pode abrir mão. Vai fazer isso no Facebook, no Instagram, no Twitter, no Youtube, no seu blog, no WhatsApp, em transmissões ao vivo, no email e onde mais tiver um ponto de contato potencial com seu público. O jogo é esse e não adianta bater a porta na cara das pessoas.

Crie um banco de respostas e vá atualizando conforme acumular aprendizados sobre as principais perguntas e os temas de interesse dos usuários. Mantenha esse banco ao alcance da equipe e revise constantemente a abordagem, a linguagem e o tom de voz, em busca de uma persona legítima, humanizada, adequada ao seu posicionamento e acessível à sua comunidade.

Interagir com os usuários vai te trazer resultados qualitativos, gerando engajamento real em torno das suas ideias, causas e bandeiras. Além disso, vai ampliar a performance das suas publicações, turbinando a distribuição dos seus conteúdos. E, de quebra, ainda vai te propiciar uma fonte inesgotável de inteligência, permitindo maior domínio das demandas do seu público de interesse, a geração de insights qualificados e a tomada constante de pulso sobre o que está quente nas redes.

Integre sua equipe de interação ao trabalho de monitoramento, conteúdo e de inteligência, e você verá a mágica acontecendo. As pessoas querem ser ouvidas e se você puder criar esse espaço para elas, todo seu esforço será recompensado.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Junte-se à nossa comunidade de profissionais.