Campanhas

APRENDA A INVESTIR EM MÍDIA E EXTRAIA O MÁXIMO DA SUA CAMPANHA POLÍTICA: O JOGO AGORA É ESSE.

APRENDA A INVESTIR EM MÍDIA E EXTRAIA O MÁXIMO DA SUA CAMPANHA POLÍTICA: O JOGO AGORA É ESSE.
Junte-se à nossa comunidade de profissionais.

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Já se foi o tempo em que você poderia depender apenas do conteúdo orgânico. Comece com algum investimento e muita inteligência.

Eis o que sabemos sobre campanhas de mídia: toda a inteligência gerada ao longo dos seus esforços realizados previamente à campanha eleitoral será fundamental para que você faça mais gastando menos.

O que você quer é obter a melhor performance dos criativos, com o menor investimento possível. Isso se chama otimização orientada por dados. Mas tudo depende muito do que você está fazendo agora.

De todos os processos realizados em uma campanha, o trabalho de mídia é aquele em que a matemática aparece de forma mais clara. Aqui, tudo é preto no branco, e, mais do que nunca, se você errar a mão, vai literalmente jogar dinheiro fora. Não apenas o tempo, a energia e as expectativas, mas jogar dinheiro fora de verdade.

Cada anúncio mal direcionado, cada clique não previsto, cada conjunto de impressões destinado ao público incorreto, representa dinheiro saindo da sua conta e indo pelo ralo. Simples assim.

O profissional à frente desta tarefa deve trazer na bagagem uma mistura de conhecimento técnico, raciocínio analítico, compreensão das plataformas e uma sensibilidade enorme para o pensamento estratégico. O que está em jogo ali é a materialização de tudo que você fez organicamente, só que em maior escala. E aqui, temos o controle do processo. O trabalho bem feito, traz resultado, o trabalho mal feito, te coloca no chão.

Este profissional vai, em conjunto com a equipe de estratégia, inteligência, conteúdo e outros tantos envolvidos, liderar a definição de KPIs, que são métricas-chave, rastreáveis e passíveis de acompanhamento, que ajudarão a definir o que funciona e o que não funciona.

Esta é a pessoa a se dedicar exclusivamente à conectar o raciocínio estratégico ao trabalho tático, operacional, que envolve a configuração das campanhas nas plataformas, realização de teste A/B e outros testes com variáveis múltiplas, e que, ao final de tudo, é quem estará com a chave de fenda na mão apertando cada parafuso para fazer sua verba render mais e os conteúdos chegarem a mais pessoas, e às pessoas certas.

Se você acha que vai entrar nesse jogo sem coçar o bolso, respira fundo, começa tudo de novo, do primeiro parágrafo, para ter tempo de mudar de ideia.

A não ser você seja uma grande celebridade, tenha milhares ou milhões de seguidores ativos e dialogando de verdade nos seus canais, você vai ter que ralar muito para construir uma presença relevante na Rede. E sem investir em mídia, vai chegar ao final das eleições com a sensação de estar falando sozinho. Pior, já vi casos em que, na hora da verdade, a quantidade de seguidores até diminuiu. Sério.

Não adianta se apegar aos seguidores acumulados ao longo dos anos, mesmo que tenha adquirido cada um deles com o suor do seu trabalho, com a criatividade dos seus belos conteúdos e não tenha comprado um like sequer (sim, muita gente andou fazendo isso nos primórdios da Rede).

Se essa gente toda não estiver verdadeiramente engajada em seu conteúdo, comentando e compartilhando fortemente, interagindo com você e entre si, sinto te informar: seus números não valem nada e não vão fazer nada pelo seu projeto.

Não é novidade alguma que a distribuição orgânica do conteúdo vem minguando a cada dia nas plataformas. Esse movimento já é realidade no Facebook e tem se tornado cada vez mais intenso no Instagram. No Twitter, que é mundo à parte, e um universo bem particular, você não vai chegar aos milhões de usuários tão cedo. Muito menos organicamente.

Então, tudo isso é para te dizer que o jogo agora se chama dinheiro e, mais uma vez, é um jogo que não pode ser jogado em cima da hora, quando o clique estará mais caro, a atenção do usuário mais disputada, os espaços mais poluídos, às mentes mais fechadas, as decisões mais polarizadas e, cá para nós, as pessoas estarão bem menos disponíveis.

O que fazer agora, diante de tudo isso? Turbinando sua inteligência de mídia.

Comece a trabalhar. Construa sua base agora, engaje as pessoas agora, comece a testar seus conteúdos imediatamente. Quando muita gente estiver quebrando a cabeça sem saber por onde começar, você já estará muitas casas à frente, consciente sobre o que dá certo e o que não funciona. E para isso você nem precisa investir um volume estratosférico de dinheiro. Basta saber o que quer, empregar inteligência, escolher um profissional competente e colocar a mão na massa.

Se não fizer isso agora, vai se arrepender depois.

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Junte-se à nossa comunidade de profissionais.